Sírio chama Daniel Vilela de “menino maluquinho” e dispara: “trair e coçar, é só começar”


||| Político de Anápolis fica indignado com a decisão do deputado federal em convocar eleição no diretório estadual do MDB sem prazo para que outras chapas fossem registradas

MARCOS VIEIRA

O ex-vereador Sírio Miguel disse que a convocação de eleição no diretório estadual do MDB, feita pelo deputado federal e atual presidente, Daniel Vilela, “praticamente sem prazo para o registro de chapas”, não foi surpresa para os membros do partido em Anápolis.

“Já tínhamos sentido na pele a dor da traição quando das eleições municipais de 2016”, escreveu Sírio em texto publicado nas redes sociais – o político já foi presidente da Câmara Municipal. Segundo ele, os emedebistas foram “apunhalados covardemente pelas costas” por Daniel Vilela, que esteve em Anápolis por diversas vezes, incentivando o partido a lançar candidatura própria, “mas que no apagar das luzes do prazo final para a realização das convenções partidárias, fez conchavos políticos à revelia do diretório local”.

Na eleição municipal passada, o MDB vinha trabalhando o lançamento de um nome para prefeito, mas depois de reuniões com a presença de Daniel Vilela, a cúpula estadual decidiu pelo apoio a João Gomes, na época no PT, candidato à reeleição. O então vereador Eli Rosa, emedebista, foi lançado candidato a vice-prefeito nessa composição.

Ao menos de maneira provisória, por alguns dias, a eleição no diretório estadual do MDB foi suspensa. O prefeito de Catalão, Adib Elias, conseguiu uma liminar na Justiça para que o pleito não ocorresse, mas uma ação de Daniel acabou mantendo a disputa no dia 19 de janeiro - o deputado federal, único candidato, foi reeleito com 138 votos.

Em seu texto, Sírio Miguel afirmou que no episódio de 2016, Daniel olhou para o “próprio umbigo”, como “se o MDB-GO não passasse de um brinquedinho, ganhado do papai”. Daniel é filho do ex-governador Maguito Vilela, um dos nomes mais importante do partido em Goiás.

O ex-vereador falou ainda que o não lançamento de chapa própria na eleição municipal frustrou um trabalho de reconstrução do MDB na cidade, “que aliás, praticamente deixou de existir, por omissão do seu próprio pai [Maguito] com a cidade, quando governador”.

O MDB foi encolhendo em Anápolis com resultados cada vez mais frustrantes e votações pífias nas eleições estaduais. O próprio Daniel, em 2018, na sua candidatura a governador, obteve 25.101 votos na cidade. O vencedor, Ronaldo Caiado (DEM), conseguiu 117.523 votos dos anapolinos. Em 2014, também na disputa para o governo de Goiás, Iris Rezende teve 9.009 votos em Anápolis. Hoje o partido só tem uma vereadora na Câmara, Elinner Rosa.

“Maguito destruiu e Daniel enterrou o MDB em Anápolis, tal qual como caminha a passos largos para fazê-lo em âmbito estadual. Daniel perdeu aqui na condição de presidente estadual do MDB-GO, não só a oportunidade de reestruturar o partido, mas de resgatar o nome do próprio pai. Mas nem esse apelo fez com que esse rapaz agisse com o mínimo de dignidade e respeito aos que aqui, trabalhavam incansavelmente na trincheira política”, disse Sírio Miguel.

O ex-vereador escreve ainda que os filiados de Anápolis seguem lutando em “terreno que o menino maluquinho desconhece, fora do ar condicionado dos apartamentos de luxo, longe dos melhores restaurantes da capital”.

“Faremos a militância política nas ruas e junto aos verdadeiros emedebistas, com lealdade, companheirismo e transparência, valores esses que o jovem presidente demonstra desconhecer por completo e que são essenciais na vida pública”, afirmou Sírio.

O ex-vereador prossegue: “o partido do Movimento Democrático não pode ser tratado como um livro de atas redigidas em benefício de interesses pessoais. Quem usa o partido com esse tipo de interesse, não merece o respeito de seus filiados. Nossa militância política, independe de cargos, vantagens, de posições sociais ou econômicas e obedecem apenas a voz de nossa consciência”. Na conclusão do texto, Sírio escreve: “trair e coçar, é só começar”.

#política #mdb #anápolis #síriomiguel #danielvilela #eleições