Especial Dia da Mulher: destemidas, elas marcam a história de Anápolis


||| Quem são as mulheres que com grande espírito de coletividade e amor ao próximo entraram para a história da cidade por obras e feitos importantes para o seu desenvolvimento

MARCOS VIEIRA

Neste 8 de março, Dia Internacional da Mulher, o Anápolis 360° relembra nomes importantes na história da cidade.

Dulce de Faria A mulher do ex-prefeito Anapolino de Faria foi uma primeira-dama inesquecível. Criou o projeto Dom Bosco, um marco na assistência social aos mais carentes em Goiás. Faleceu em 2010 e até hoje é lembrada por ter abraçado a vida pública ao lado do marido. Figurava na lista das mulheres mais elegantes de Goiás e Distrito Federal. Sua casa em Anápolis é um marco arquitetônico e exibe até hoje móveis assinados por designers importantes do país.

Ana das Dores de Almeida Fundamental na fundação de Anápolis. A fazendeira viajava de Jaraguá para Bonfim (atual Silvânia) quando uma das mulas que transportava a carga desgarrou-se dos demais animais. Ao encontrar o bicho, ninguém conseguiu que ele retomasse a marcha. Por estar transportando uma imagem de Nossa Senhora Santana, Ana entendeu que o “desejo” da santa era que eles ficassem ali. Onze anos depois, o filho da fazendeira, Gomes de Souza Ramos, construiu uma capela no local, dando início ao povoado que se transformaria em Anápolis.

Francisca Miguel Foi a primeira vereadora de Anápolis, um marco por si só já bastante significativo. Professora, ela fez do seu mandato uma bandeira pela educação pública. Em 1948, apresentou um projeto de lei criando o ginásio municipal, dando a oportunidade para que os mais carentes pudessem ter acesso a esse nível de ensino, até então só encontrado na rede particular. Sua iniciativa deu origem ao Colégio Estadual José Ludovico de Almeida, que tem 70 anos de fundação.

Haydée Jayme Ferreira Historiadora e jornalista, autora de uma obra importante para entender a história da cidade, “Anápolis, sua Vida, seu Povo. Foi ativista cultural e uma das opiniões mais respeitadas de Anápolis. Haydée era poetisa, educadora e oradora e lutou incansavelmente para elevar o nome da cidade, defendendo os interesses locais e os anapolinos onde estivesse.

Hermogênia Eleutério de Oliveira A professora Gênia, como era conhecida, é a autora da letra do Hino de Anápolis. É dela, portanto, os belos versos que exaltam a cidade, com música do maestro Orestes Farinelo. Hermogênia faleceu recentemente, em 30 de janeiro deste ano. Foi importante na formação educacional de diversas pessoas em Anápolis, dando aula em colégios e faculdades e também com um curso particular preparatório. Foi membro ativa da União Literária Anapolina (ULA).

Zeneide Lucena Artista plástica que chegou a Anápolis em 1954 e ajudou a alavancar a cultura local com sua militância aguerrida. Ganhadora de prêmios e presente em diversas exposições, levou o nome da cidade para diferentes regiões do Brasil. Com 82 anos de idade, Zeneide tem mais de quatro décadas de produção ininterrupta. Suas pinturas e esculturas marcam para sempre a história das artes em Anápolis e já inspiraram dezenas de gerações de novos artistas.

Nadyr de Souza Andrade Entre suas conquistas na cidade está a criação da Fundação Educacional de Anápolis que, posteriormente, tornou-se Secretaria Municipal de Educação. Após se aposentar ainda trabalhou por vários anos em defesa do professor por meio de entidades representativas. Dá nome a uma escola municipal localizada no Jardim Alvorada.

#diainternacionaldasmulheres #anápolis #homenagem