Parque de Exposições interditado: produtor do Villa Mix Anápolis diz que “embaraços” estão sendo res


||| O responsável pelo festival, empresário Werlan Moura, da Nobel Entretenimento, disse ao Anápolis 360º que os embaraços para a realização do evento estão sendo resolvidos; parque foi interditado pela Postura municipal

FERNANDA MORAIS

A notícia da interdição do Parque de Exposições Agropecuárias pela Gerência de Posturas da Prefeitura de Anápolis pegou muita gente de surpresa. Aqueles que compraram ingresso para o Villa Mix, que acontece no próximo final de semana no local, ficaram preocupados com a decisão.

O responsável pelo festival, empresário Werlan Moura, da Nobel Entretenimento, disse ao Anápolis 360º que os embaraços para a realização do evento estão sendo resolvidos.

“Já realizamos três eventos no parque desde a sua inauguração e nunca tivemos problemas. Inclusive um Villa Mix no ano passado e, agora por último, um show do Zé Neto e Cristiano. Então não acredito que tenhamos problemas já que a legislação não mudou”, disse. O parque fica às margens da BR-153.

Esta edição do Villa Mix terá shows com potencial de atração de grande público. Estão confirmadas as participações do DJ Alok, dos sertanejos Jorge e Mateus, Cleber e Cauan, além do funkeiro Kevinho.

“É um evento com uma dimensão muito grande. Envolve uma estrutura enorme, inclusive com geração de empregos. Temos 350 contratações de funcionários para atuar na segurança, bilheteria, garçons, portaria entre outros setores”, disse Werlan.

O responsável também detalhou que o Villa Mix atrai milhares de pessoas de cidades vizinhas e movimenta o comércio da cidade. “Restaurantes, hotéis, salões de beleza. Aumenta a movimentação de Uber e táxi, e até mesmo fomenta as lojas de roupas e calçados. Isso sem falar na opção de lazer e entretenimento. Anápolis é carente dessas realizações”, destacou Werlan.

O prometer disse ainda que hoje será realizada uma reunião no Ministério Público para discutir a idealização do evento e ainda a situação do Parque de Exposições. “Essa questão de documentação do parque não é nossa responsabilidade. Nosso compromisso é com a questão da organização dos shows”, relatou.

Werlan Moura disse ainda que não sabe o que motivou a interdição, considerando que o Sindicato Rural nunca disponibilizou a documentação que agora está sendo exigida pela Gerência de Posturas.

“Também protocolamos uma petição para liberação do evento no parque junto a Posturas no dia 26 de fevereiro, mas até agora, infelizmente, ainda não tivemos respostas. De todo modo os shows estão confirmados e acredito que não teremos problemas para sua realização”, concluiu.

Interdição Fiscais da Gerência de Posturas interditaram o Novo Parque de Exposições Agropecuária de Anápolis após reunião realizada no local no dia 6 de fevereiro.

A Gerência de Posturas solicita que seja inserido no cadastro do CNPJ do Sindicato Rural a Classificação Nacional de Atividades Econômica (CNAE) para realização de atividades secundárias para ter autorização para realização de festas e eventos.

Mas de acordo com o Sindicato Rural, é impossível conseguir a documentação que não seria aceita pela Receita Federal considerando que a entidade é uma organização sindical sem fins lucrativos.

Ainda de acordo com o sindicato, ao longo de 63 anos é realizada a exposição agropecuária sem problemas por falta de qualquer documentação.

A preocupação agora é com eventos que já estão programados para acontecer no local como a edição nacional do Villa Mix marcada para o próximo sábado (16.mar). Também já estão agendadas para o espaço pelo menos duas cavalgadas e existe ainda a expectativa para a Expoana. Com a interdição o evento segue sem data prevista para acontecer em 2019.

#villamixanápolis #interdição #parquedeexposições #pecuária #sindicatorural #anápolis #werlanmoura