Trabalho de filiações no PMN avança bem, diz vereador Teles Júnior


||| Vereador de Anápolis conta que sigla tem quantidade para preencher uma chapa de candidatos a vereador, mas objetivo é focar no qualitativo, levar para o grupo quem tem projetos para a cidade

MARCOS VIEIRA

É momento de os partidos buscarem novos filiados para a disputa de vereador. O fim das coligações torna a tarefa ainda mais difícil. E o prazo é curto: quem vai encarar as urnas precisa estar filiado até 4 de abril.

O PMN de Anápolis tem o desafio de no mínimo manter as duas cadeiras conquistadas em 2016. Um dos vereadores da sigla, Teles Júnior, diz que há nomes suficientes para preencher as 35 vagas da chapa que irá disputar a eleição proporcional, mas a busca por novos filiados, que segundo ele tem avançado bem, atende à proposta de “valorizar o qualitativo”.

“Quantitativo temos, mas queremos pessoas que agreguem do ponto de vista qualitativo, gente que tenha projetos para a cidade e liderança em seus campos de atuação”, explica Teles, cujo irmão, o advogado Francisco Teles da Silva Santos, passará a comandar o PMN anapolino nas próximas semanas.

Na quarta-feira (8.jan), a reportagem acompanhou conversa de Teles com um servidor de carreira da saúde municipal, que exerce certa liderança, e que recebeu o convite para se filiar ao PMN. Ele ficou de dar a resposta, pois está em outro partido atualmente. A decisão implicaria também no lançamento de uma candidatura a vereador.

O PMN tem ainda o vereador Luzimar Silva, liderança de bairro, 1.265 votos em 2016, que segundo Teles Júnior permanece no partido visando o projeto de reeleição.

“Uma característica do nosso partido, reforçada pela direção nacional, é de atuar sentindo a sociedade e não considerando demandas tradicionais da política. Conversamos com a sociedade”, diz Teles, que em 2019 fez um trabalho específico na área do desenvolvimento econômico, entre outras bandeiras.

Questionado sobre apoio na chapa majoritária, o vereador explica que uma aliança com Roberto Naves (PP) é algo lógico, pois a sigla é da base de apoio do prefeito, mas que é preciso seguir a ordem natural dos acontecimentos. Ou seja, aguardar que Naves se declare candidato à reeleição para, aí sim, articular o apoio com todo o grupo que compõe o PMN.

Em 2016 o partido lançou 25 candidatos a vereador, em uma coligação que tinha PCdoB e PPL. Foram 11.032 votos conquistados, com as vitórias de Teles e Luzimar.

Depois de não atingir o mínimo de eleitos definido por lei em 2018, o PMN ficou sem recursos financeiros do fundo partidário em 2019. O partido está entre os que menos vão receber dinheiro do fundo eleitoral: R$ 5,7 milhões para todo o Brasil. O financiamento da campanha também será um desafio nas eleições de 2020.

Vereador Teles Júnior na tribuna da Câmara Municipal de Anápolis (Ismael Vieira/Divulgação/CMA)

#anápolis #notícias #política #eleições2020 #goiás #pmn #eleiçõesproporcionais #vereadortelesjúnior