Aulas não presenciais da UEG excluem alunos deficientes

Estudante surda de Engenharia Civil denuncia impossibilidade de acompanhar conteúdo sem Libras ou legenda



MARCOS VIEIRA


Em comunicado à comunidade acadêmica, no dia 2 de abril, o reitor interino da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Valter Campos, disse que ninguém seria prejudicado com a adoção das aulas não presenciais devido à pandemia do coronavírus.


“Todas as medidas estão sendo tomadas para que aquele aluno que não tem acesso à internet ou que tenha dificuldade para lidar com a tecnologia, bem como professores que também tenham esse nível de dificuldade, não sejam prejudicados”, disse o reitor.


Ao que parece, faltou incluir os estudantes deficientes no chamado Plano Emergencial de Ensino e Aprendizagem. A aluna Kamila Castro, do 6º período de Engenharia Civil da UEG, é surda e gravou um vídeo legendado para mostrar sua indignação.


A jovem reconhece a importância de se ficar em casa neste momento de pandemia, ressalta a iniciativa da UEG de propor aulas à distância, mas diz que não foi disponibilizado intérprete de Libras (Língua Brasileira de Sinais) ou mesmo videoaulas com legenda.


“Nós fomos os únicos ignorados, prejudicados e excluídos”, diz Kamila, que lamenta não conseguir acompanhar as aulas. Segundo ela, há outros alunos deficientes também prejudicados nesse momento. “Estou angustiada e preocupada”, reforça a estudante.


Outro lado

Em nota, a UEG diz que já realizou dois processos seletivos simplificados para contratação de professores de apoio, o que visa atender aos alunos com deficiência. “As contratações estão acontecendo de acordo com as exigências legais”, diz o texto.


“A universidade orientou aos professores que ministram aulas para alunos com deficiência a utilizarem plataformas digitais que ofereçam recursos de acessibilidade e reforçará essa orientação”, explica a nota.


A UEG afirma ainda que devido a esse período de pandemia e de atividades não presenciais, “as disciplinas não cursadas pelos discentes que não conseguiram acompanhar as aulas serão reofertadas ao longo do curso, por meio de turmas especiais e outras medidas que poderão ser tomadas e orientadas pela universidade”.


Veja a nota da UEG na íntegra:


A Universidade Estadual de Goiás - UEG informa que já aconteceram dois Processos Seletivos Simplificados para a contratação de professores de apoio e as contratações estão acontecendo de acordo com as exigências legais. A Universidade orientou aos professores que ministram aulas para alunos com deficiência a utilizarem plataformas digitais que ofereçam recursos de acessibilidade e reforçará essa orientação. A UEG ainda destaca que, devido a esse período de pandemia e de atividades não presenciais, as disciplinas não cursadas pelos discentes que não conseguiram acompanhar as aulas serão reofertadas ao longo do curso por meio de turmas especiais e outras medidas que poderão ser tomadas e orientadas pela Universidade.

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita dos responsáveis pelo Anápolis 360 graus. Editado por eLive Produções.

Estamos nas redes sociais

  • Facebook - círculo cinza
  • Twitter - círculo cinza
  • YouTube - círculo cinza
  • Instagram - Cinza Círculo