Os caminhos do Podemos na eleição de Anápolis

Partido sabe que o mês é decisivo e já começa a avaliar internamente o projeto mais factível para o grupo



MARCOS VIEIRA


O Podemos foi um dos principais partidos em Anápolis a colocar o debate da sucessão municipal em evidência nesses primeiros meses de 2020. E talvez por isso, seja um dos primeiros a demonstrar preocupação com a proximidade do período de convenções e a definição de um projeto factível para a eleição.


O radialista Cândido Filho segue posto como pré-candidato a prefeito, mas o Podemos deve abrir a discussão sobre alianças e, principalmente, a necessidade de uma estrutura sólida para a chapa de candidatos a vereador.


O debate interno deve ser feito nos próximos dias. O entendimento é que é preciso ter os pés no chão. A candidatura própria precisa avançar de maneira consistente, ou abre-se a possibilidade do Podemos ser vice em uma coligação. Outra opção é a concentração de esforços na disputa proporcional.


Cândido Filho tem feito o debate de forma digna, avaliam seus colegas de partido, mas o Podemos sabe que a estrutura para a disputa é fundamental.


Cândido pode refluir e, em um novo redirecionamento, ser candidato a vereador? A princípio não, embora o radialista é tido como alguém que trabalha pelo coletivo.


O mês de agosto é decisivo para os partidos. O afunilamento é natural e o cenário do início do ano, de várias candidaturas, dificilmente deve ser confirmado.