Projeto de lei quer classificar atividades religiosas como essenciais em Anápolis

Com isso, igrejas, templos e outros espaços de celebrações não poderiam ser fechados totalmente em razão de uma pandemia como a da Covid-19



DA REDAÇÃO


A vereadora Cleide Hilário (Republicanos) quer que as celebrações religiosas em Anápolis sejam consideradas atividades essenciais durante a vigência de situação de emergência em saúde pública ou estado de calamidade, em razão de pandemias e epidemias.


Ela apresentou um projeto de lei na Câmara que, caso aprovado, veta o fechamento total dos locais de celebrações em situações como a atual, de pandemia do coronavírus.


“Todas as celebrações religiosas, sem distinção de credo, realizadas em seus respectivos templos ou fora deles, serão consideradas atividades essenciais”, diz o artigo 1º da propositura, que será lida em plenário na segunda-feira (1º.fev).


O texto do projeto diz ainda que as celebrações religiosas deverão obedecer às determinações da Secretaria Municipal de Saúde, no que se refere à sanitização e redução do limite de capacidade de pessoas.


Ao falar da importância das celebrações religiosas em sua justificativa, Cleide Hilário afirma que a pandemia da Covid-19 tem mostrado que instituições têm auxiliado de forma “incontestável não somente na assistência espiritual, mas também social e até psicológica, posto que o confinamento a que as pessoas por vezes são submetidas pode até mesmo causar lhes depressão e aumento de violência conjugal”.