Vereadora diz que seu trabalho voluntário não será interrompido

Thaís lamenta denúncia no Ministério Público e diz que seu trabalho de castração animal sempre existiu e é dissociado do Centro de Zoonoses



FERNANDA MORAIS


À medida que a campanha se aproxima, aqueles que detêm mandato entram na mira dos pretensos candidatos, principalmente na Câmara Municipal – normalmente em Anápolis são quase 600 na disputa por 23 vagas.


Essa semana a vereadora Thaís Souza (PP) fez um desabafo na tribuna. Disse que foi denunciada no Ministério Público por conta do trabalho voluntário de castração de animais de pequeno porte que ela realiza antes mesmo de ter mandato.


Thaís falou que existem dois projetos distintos na cidade. Um realizado pelo Centro de Controle de Zoonoses e Bem-Estar Animal, e outro, de sua total responsabilidade, desenvolvido pelo seu gabinete desde o primeiro dia de mandato.


“Então foi passado ao Ministério Público que as castrações no Centro de Bem-Estar Animal só acontecem se o pedido passar por mim. Não é verdade. As pessoas procuram o órgão, fazem um agendamento e são atendidas desde que estejam dentro dos critérios estabelecidos do programa”, explicou.


A vereadora informou que o trabalho de castração no Centro de Zoonoses está suspenso por orientação da Vigilância Sanitária, devido à pandemia de coronavírus.


“Agora o do meu gabinete, o meu projeto voluntário, eu não vou parar. Podem denunciar. Os esclarecimentos já foram feitos, tenho um cadastro das pessoas que atendi pelo meu projeto pessoal. É ano eleitoral, mas não vamos misturar o meu trabalho com o que é realizado pelo Centro de Bem-Estar Animal”, reforçou.


Thaís disse ainda que até ela ser eleita vereadora, nenhum político tinha dado voz à causa animal na cidade. E hoje, segundo ela, o município é referência na realização de políticas públicas voltadas para o setor. “Temos um trabalho construído e é preciso respeitar isso”, disse.