Vereadora quer proibir prática de manter cães presos em correntes

Atualizado: Fev 23

Segundo projeto de lei, acorrentar animal, limitando seu espaço de movimento, já é considerado maus tratos no Brasil



DA REDAÇÃO


Projeto de lei da vereadora Thaís Souza (PP), protocolado na Câmara de Anápolis nesta segunda-feira (22.fev), veda a manutenção de animais presos em correntes ou assemelhados que prejudiquem sua saúde e seu bem-estar.


A propositura, que será analisada pelas comissões antes de passar pelo crivo do plenário, tem apenas cinco artigos. Em um deles, é afirmado que o “objetivo primordial da lei é evitar maus tratos aos animais”.


Em sua justificativa a vereadora diz que acorrentar animais já é crime de acordo com lei federal de 1998, mas muita gente insiste na prática, alegando que o cachorro pode fugir ou atacar alguém.


“Sempre há opções mais adequadas para o animal. A construção de canil ou um simples portão com tranca já resolve o problema. Tem gente que acorrenta por falta de informação e discernimento, não tem consciência do mal que está fazendo ao pet”, escreve Thaís.


A vereadora pede à população que denuncie casos de animais acorrentados, pois não há fiscalização suficiente.